Sobre ter crescido numa cidade quente e não saber me vestir no inverno

Posted on
look di dia inverno gladis vivane

Como vocês sabem eu nasci e passei a maior parte da minha vida em Natal, Rio Grande do Norte. Lá as estações são bem definidas: Verão, Calor, Mormaço e Eutonoinferno. Desta forma, nunca precisei me vestir para o frio.

Aí eu cresci, viajei, mudei, morei fora duas vezes – uma delas fora do Brasil – e nunca, mas nunca mesmo, aprendi a me vestir no inverno. Basicamente eu coloco uma roupa por cima da outra até ficar impossível me movimentar. Se eu não tiver que sair de casa, passo o dia de pijama. Ou melhor, dois pijamas. Um por cima do outro.

A pior parte disso é que eu passo o inverno inteiro me sentindo feia, horrorosa, desleixada, toda cagada, desconfortável comigo mesma. Porque meus lindos vestidos rodados e de alcinha não cabem nesta estação gelada. E vestida assim, com esse monte de moletom sobreposto, essa pessoa não sou eu.

Eis que, depois de 4 invernos em São Paulo, tomei vergonha na cara e decidi me vestir decentemente para o frio. Dividi essa tarefa em 4 passos:

1- Comprar um casaco decente. Sempre tenho pena de gastar dinheiro com um casaco bom e acabo trocando 1 peça de qualidade por 4 blusinhas de frio sem futuro que não duram um mês.

2- Comprar blusas internas de boa qualidade, que aqueçam o corpo, sejam gostosas e macias e não fiquem cheias de bolinhas depois da primeira lavagem.

3- Aprender a usar meia calça. Essa é trauma de infância, de quando minha avó me montava toda e me colocava uma meia-calça no calor de natal e aquilo era um martírio – pinicava até a alma e fazia uma calor do cão. Fora isso, é foda encontrar meia-calça que vista bem quem tem coxa grossa 🙁

4- Comprar uma bota. Eu odeio botas na real. Sobrevivi a 3 invernos usando sapatilha e scarpin. Caprichava no aquecimento do corpo inteiro pra tentar sentir menos frio nos pés. Mas nunca era confortável. Agora decidi comprar uma bota básica, salto grosso baixinho, cano médio, pra usar com tudo. Se eu curtir a experiência vou me permitir comprar uma segunda bota, em outra cor e modelo.

Pronto! Eis o resultado do meu primeiro look de inverno:

saia rosa de bolinhas casaco cinza A saia rosa de poá é só pra não perder o costume de ser eu mesma embaixo desse monte de roupa que não parece ser minha 😛
look de inverno preto pink

bolsa pink ado atelie

batom pink E aí, curtiram? Eu ainda me acho muito estranha com roupa de frio, mas me senti muito melhor com um look mais arrumadinho do que com meus antigos moletons 😛

O look é todo da Gregory mas isso não é um look patrocinado! É que eu encontrei um outlet da marca perto de casa onde os casacos têm até 70% de desconto! 🙂 A bolsa é Adô , a meia é a fio 150 da Lupo e os óculos Urban Outfitters. O batom é o Fuchsia da linha Matte Coloro da Lorac Pro.

 

Para acompanhar tudo do blog:
Facebook ♥ Pinterest ♥ Instagram Youtube ♥ Snapchat: gladisvivane 

0
  • Compartilhe  →

5 Dicas para moças peitudas

Posted on

Sinceramente, eu não lembro como é não ter peito. Acho que nasci peituda e minha primeira roupinha de bebê já veio com sutiã embutido 😛

como usar decote Fafá de Belém e Rita Lee em 1980

Uns dias atrás eu postei no Instagram a foto de um sutiã incrível que encontrei e falei sobre como é difícil ser peituda nessa vida. O sutiã que cabe os peitos sobra nas costas, os que ficam normais nas costas não cabem metade dos peitos e esse é só o começo dos problemas. É botão de blusa voando na cara das pessoas, é maratona pra encontrar um mísero biquíni que vista bem, é tanta coisa nessa vida de peituda que ó, cansa, viu?

O fato é que o post deu o que falar. Milhares (olha o exagero!) de meninas fizeram contato nos mais variados canais do blog (mentira, foi só no Face no Insta e no email 😛 ) para dizer que “sofriam do mesmo mal” e pedir dicas de onde comprar o sutiã perfeito.

E aí eu achei que o assunto rendia e resolvi compartilhar algumas dicas para você conviver melhor com os seus peitos. Afinal, a gente reclama às vezes, mas ter um decote imponente é mara!

dicas para quem tem peito grande

Uma boa postura é essencial na vida de qualquer pessoa. Mas, se seu sutiã é maior que 44, você precisa fortalecer os músculos das costas mais do que todo mundo! É muito comum que quem tem peito grande tenha dores nas costas e problemas de postura. Geralmente começa na adolescência, quando a menina tenta esconder os seios andando curvada. O vício de postura fica pra sempre e, anos depois, ela vai sofrer com terríveis dores nas costas. Outras nem passaram por isso, mas o peito grande e a vida sedentária acabam trazendo dores na coluna.

Eu nunca tive esse problema e nunca tenho dor nas costas. Tenho amigas menos peitudas que fizeram cirurgia de redução de mamas por não aguentar as dores de coluna. E pensando nisso só tenho uma explicação para a minha ausência de problemas de postura: O ballet!

E olha que nunca levei a dança a sério e nem passei perto de ser profissional. Mas alguns anos de ballet na adolescência foram suficientes para me dar a postura que tenho hoje e evitar o problema! Então, se você é peituda, que tal incluir o ballet nas sua atividades? Temos cada vez mais opções de aulas para adultos e até mesmo o tal do ballet fitness, que está na moda e se encontra em qualquer esquina agora. Pilates, RPG, musculação e qualquer coisa que possa fortalecer os músculos das costas merece um espaço especial na sua rotina de exercícios!

 sutiã para seios grandes

Tá bom. Tem pai, mãe, namorado, cachorro, muita gente importante pra você. Mas só quem segura seus peitos é ele, amiga. O sutiã perfeito é uma dádiva e, para encontrá-lo, cada peituda deve enfrentar a sua própria jornada. São anos de peregrinação e idas frustradas ao provador. Sempre com a vendedora serelepe do lado de fora “E aí, serviu? Posso ver?” Não amiga, não pode ver porque ficou um cu!

O sutiã perfeito nunca vai aparecer pra você de primeira. Você deve provar todos os modelos, de todas as lojas de lingerie, em mais de cinco cidades e, pelo menos, dois países. Mas quando você o encontrar você saberá – e nunca mais o abandonará.

Você pode passar pela sua jornada pessoal sozinha, mas se quiser cortar caminho vai nesse modelo aqui da Loungerie. Foi dele que falei no Instagram e foi ele que gerou esse post. Tem medidas diferentes de costas e busto, a renda é macia, dá aquela levantada sem incomodar e – OBRIGADA SENHOR- não tem bojo!

Marcas de lingerie, apenas parem de fazer “sutiãs de sustentação” com bojo. Outro dia vi um “sutiã redutor” com bojo. O bojo só aumenta ainda mais o peito e, além disso, quando a gente coloca uma blusa por cima se sente vestindo uma armadura. O modelo perfeito – para mim – tem aro e uma renda ou outro tecido fininho no lugar do bojo ♥

dicas de moda para quem tem seios grandes

Sim, a indústria de moda brasileira tem sérios problemas com curvas e eu já falei sobre isso aqui. E, quase sempre, quanto mais barata a roupa, pior a modelagem. Quando você compra uma camisa por fintchy reaix numa fast fashion, você imagina que o processo de produção daquela peça não foi dos mais honestos, né? Além de toda a questão ética, você ainda estará comprando uma roupa que vai deformar as suas curvas!

Se você tiver a sorte de encontrar uma marca cujas peças respeitem as curvas do seu corpo, principalmente o desenho dos seus seios, seja fiel a ela! (E deixa a dica nos comentários). Mas a dica que eu dou é: Mais vale UMA peça com boa modelagem, que não deforme os seus seios, do que DEZ que vestem mal. Então faça compras inteligentes: Compre menos e melhor!

dicas para quem tem peitão

Tem coisa mais chata do que revistinha de moda e blogueira dando “dica” do que você pode ou não usar se tiver peito grande? A regra é clara- e única: Você pode usar o que quiser, desde que TENHA VONTADE.

Obrigada, de nada.

Eu amo saias de cintura alta. Praticamente 80% do meu guarda-roupas é composto por saias mídi de cintura alta. Aí vem uma fulana me dizer que não posso usar cintura alta porque “aumenta ainda mais a região do busto e achata o tronco”.

Aham Cláudia, senta lá. Use o que quiser, quando quiser, do jeito que quiser. As pessoas têm uma mania idiota de achar que nós estamos sempre querendo “disfarçar o busto”. Gente, peito não é espinha que você disfarça com corretivo. Uma moça de peito grande tem um tipo de corpo diferente de uma moça de peito pequeno e não faz o mínimo sentido usar “truques de estilo” para se aproximar de uma silhueta que não é a sua.  Se você gosta de usar determinada roupa e se sente bem com ela, esqueça tudo que já leu nas revistas e use assim mesmo!

anita ekberg melhor decote

Toda peituda já passou por um momento “odeio meus peitos”. Eu mesma já pensei várias vezes em cirurgia de redução, quando eu era mais nova. Mas com o tempo a gente perde essa insegurança adolescente e se descobre amando o próprio decote!

Eu sei que às vezes é um saco não encontrar um biquíni bacana ou não conseguir usar aquela blusa linda da Farm com as costas abertas, mas as vantagens de ter peitão superam as desvantagens – e muito!

O meu padrão de beleza é vintage, então quando eu olho para Sophia Loren e Anita Ekberg eu acho que ter peito grande – e natural! – é uma dádiva. Ao mesmo tempo, como qualquer pessoa normal, minha auto-crítica tende a me dar algumas rasteiras de vez em quando. E eu começo a pensar que seria mais magra se não tivesse peito, que seria melhor pra comprar roupa, que poderia usar a blusa que eu quisesse… É, poderia. Mas não seria eu!

E quando você percebe que cada detalhe seu – até aquele que às vezes te incomoda – é o que te faz única, você tem a real dimensão de como você é bonita! 🙂

 

PS 1: Se você é peituda e tem uma dica bacana pra dar (um sutiã mara, uma marca de biquíni, um creme firmador huahuahua ) deixa aí nos comentários!

PS 2: Eu sei que muitas meninas têm problemas sérios com o tamanho dos seios, que podem trazer complicações de saúde.  Se esse é o seu caso, procure um médico e se cerque de toda a informação possível sobre o assunto. Eu não quero ditar regra nenhuma aqui, nem dizer que ninguém deve reduzir os seios, só quero que você pense bem antes de tomar a sua decisão e que seja muito bem orientada. O que importa é que você seja feliz – com peitão ou sem peitão!

 

Para acompanhar tudo do blog:
Facebook ♥ Pinterest ♥ Instagram Youtube ♥ 

 

6
  • Compartilhe  →

Bazar Ladylike – Vendendo (quase) tudo do meu closet

Posted on

Ai como eu estava louca pra fazer esse post! O meu bazar online já está funcionando! Vem comprar! 😀

bazar

Já faz algum tempo que notei uma mudança no meu comportamento em relação ao consumo e à minha relação com as coisas que eu já tenho. Estou cada vez mais apegas às minhas peças preferidas, variando pouco o que costume vestir e percebendo que a maioria das coisas que não uso há muito tempo jamais serão usadas novamente.

Algumas não vestem bem porque engordei (mas vesti tudo pra tirar foto e coloca na lojinha – olha o mico – tem umas fotos em que estou horrorosa, mas não queria colocar só foto da roupa no cabide kkk). Outras não cabem mais no meu estilo – que, sim, mudou ao longo desses últimos três anos.

Falo três anos porque é esse o tempo que se passou sem que eu fizesse uma grande limpa no meu closet.  A última vez que fiz isso – três ano atrás- foi quando mudei pra São Paulo. Fiquei somente com o que cabia em duas malas e foi uma das melhores coisas que fiz na vida!

Quero ter menos coisas em casa, desocupar espaço, fazer a energia circular e abrir espaço para o novo. Ao mesmo tempo, essas peças lindas e em ótimo estado podem fazer uma nova dona bem feliz.

Tem muito mais coisas para entrar no bazar e eu estava esperando fotografar tudo para poder colocar a lojinha online, mas vi que isso ia demorar muito então vou postando os produtos aos poucos. A primeira leva já está à venda!!!

bazar2

Chamei de Bazar Ladylike porque é o estilo que domina a maioria das coisas que tenho para desapegar – afinal, eu sou a rainha dos vestidinhos e das saias rodadas hahahaha

Cada peça tem a descrição do produto e as medidas aproximadas. Por enquanto, pagamento só com depósito ou transferência bancária. Toda semana vou colocar novidades, sempre às sextas. Espero vocês na lojinha!

www.saltoagulha.iluria.com 

🙂

0
  • Compartilhe  →

Look do Dia: Mix de estampas floral + vichy

Posted on

Definitivamente, misturar estampas não é um problema pra mim! Dá pra ver pelos looks que posto aqui que listras, flores e bolinhas são básicos pra mim.

A misturinha de hoje tem saia com estampa floral e camisa de vichy ♥

IMG_7246 IMG_7170 IMG_7260 Eu amo essa saia! Tenho há uns seis anos, passo um tempão sem usar, mas nunca enjôo dela! Ela é super estruturada, de um tecido que parece linho só que bem mais grosso… Lembra aqueles tecidos de tapeçaria.

IMG_7199 IMG_7269 Um dia desses uma amiga perguntou qual é o “segredo” para misturar estampas e ficar harmônico. Eu acho que não tem segredo nenhum. Vejo cada look lindo por aí com estampas totalmente desconexas…

Eu adoro! Acho diferente, corajoso, inusitado… Mas esse look de hoje tem uma coisa bem fácil de fazer: Misturar estampas que têm mais ou menos as mesmas cores.

O vermelho das flores está no xadrez miudinho da camisa. Aí não tem erro!

IMG_7276 IMG_7284 IMG_7244 Saia Juraci Lira / Camisa Afer / Sapato Vizzano / Bolsa Shoestock / Óculos Forever 21 / 

E vocês, gostam de misturar estampinhas? 🙂

 

0
  • Compartilhe  →

Cabarés da Natal dos anos 40 inspiram a coleção de moda mais linda dos últimos tempos!

Posted on

A vida em Natal na época da II Guerra é um assunto que sempre me fascinou. Adoro ouvir as histórias da cidade que, na época, tinha  pouco mais de 50 mil habitantes e se tornou um ponto de apoio para os americanos, recebendo milhares de soldados (fala-se em 10 mil homens).

Imagine uma cidade pequenina, onde todo mundo se conhece, recebendo essas pessoas com costumes, idioma, fisionomia e tudo mais tão diferente! O período rendeu história curiosas e engraçadas e mexeu com o jeito de ser do potiguar, que carrega até hoje o reflexo desse mix de culturas. Já escrevi sobre isso nessa matéria sobre a moda e os costumes de Natal na época da II Guerra. Se você se interessa por moda e história, vale o clique!

natal na segunda guerra Alcides Araújo, dono da Rio Center, atendendo soldados americanos na loja

E uma personagem em especial sempre chamou minha atenção: a prostituta Maria Boa. Famosíssima e muito querida pelos militares americanos, ela era dona do cabaré mais famoso da cidade. O lugar era puro luxo e tinha uma biblioteca com acervo riquíssimo, onde os clientes faziam reuniões e devem ter tomado decisões históricas da mais importantes!

A figura de Maria Boa sempre me fascinou, tanto que tem uma matéria sobre a vida dela na Revista Salto Agulha, versão impressa desse bloguinho – que você pode ler online aqui.

Mas essa introdução toda é só pra vocês entenderem o quanto meus olhinhos brilharam com o trabalho lindo de uma moça chamada Jéssica Cerejeira.

A primeira foto apareceu no meu feed do Facebook como uma mini coleção de uma estudante de moda do SENAI RN, que representou o estado num evento nacional do SENAI Brasil.

desfile jessica cerejeira

Assim que vi os looks corri pro google para saber mais. O evento em questão é o SENAI Brasil Fashion, uma incubadora de novos talentos do SENAI. Eles escolheram 9 estudantes, de 9 estados do Brasil, para criar uma mini coleção – desde a concepção do tema até o desfile. Esses jovens talentos tiveram a orientação de estilistas consagrados como Ronaldo Fraga, Alexandre Herchcovitch e Lino Vilaventura. Esse processo criativo todo vai virar um reality show que será exibido em novembro, nos canais Art 1 e Discovery Channel. Demais, né?

O que achei mais bacana é que o reality não é uma competição. Cada estilista fez o seu trabalho e tudo foi documentado para ser exibido. Todo o processo criativo, as particularidades de cada um e o resultado final. Para isso, as equipes acompanharam cada estilista em sua cidade, registrando o dia a dia de cada um e suas inspirações.

senai-brasil-fashion-desfile As criações dos 9 estilistas no SENAI Brasil Fashion

A representante do RN, Jéssica Cerejeira, se inspirou nos cabarés da Natal da Segunda Guerra, especialmente na figura de Maria Boa. Segue um trecho do release da coleção: “A Coleção ‘Habite-me’ traz o universo kitsch dos cabarés no Rio Grande do Norte, no período que marca a chegada e consequente influência norte americana no estado, durante a Segunda Guerra (…) Uma das maiores referências deste trabalho foi  a Maria Boa. A história da coleção traz a figura de um militar norte americano, que vindo para o RN na década de 40, conhece uma das meninas da casa de Maria Boa e se apaixona por ela, que como tantas, sonhava em mudar de vida, viver um grande amor. Mas a guerra acaba e o militar a deixa. Na despedida, entrega a ela o seu casaco militar, que é incorporado na vestimenta habitual da moça…”

11870923_1694992637388938_5712400232059364980_n

O resultado são esses modelo belíssimos com silhueta dos anos 40, um toque militar e bordados de tirar o fôlego!

cabares dos anos 40 inspiram a coleção

Foi uma coisa que me tocou demais. Vibrei em ver um trabalho belo e criativo assim, de uma menina tão jovem e talentosa de Natal. E aí fui atrás dela para fazer uma entrevista para o blog, claro!

Descobri que a gente já “se conhecia” virtualmente rs.  Jéssica tem um trabalho super bacana na UFRN. Ela está cursando artes plásticas e faz parte de um Laboratório de criação de figurinos e trajes de cena. Ela havia entrado em contato com o blog um tempo atrás para divulgar esse laboratório, que é aberto à comunidade e tem vários eventos muito interessantes.

Aproveitei pra fazer uma mini entrevista com ela e entendi porque é uma menina tão talentosa e criativa: um misto de curiosidade, estímulo e vivência! Ela nasceu em Imperatriz, no Maranhão, e foi pra Natal com 1 ano de idade. Hoje, aos 20, se considera natalense e olha a cidade com olhos de artista. Tudo é inspiração!

“Minha cidade me inspira pelas belezas naturais, pelas manifestações artísticas, pela hospitalidade e gastronomia. Minhas origens maranhenses pouco me influenciaram, pois saí de lá quando bebê. Mas fui criada por um pai português, militar, que serviu na guerra de Moçambique, muito rígido e cheio de histórias para contar. Minha mãe, natalense, traz para a minha formação vivências mais regionais, principalmente na gastronomia, pois ela dá cursos inclusive, de culinária potiguar, além de estar ligada diretamente com o turismo da minha cidade. Minha terra tem muitos lugares lindos e um sol intenso, o ano inteiro,  que acaba moldando a nossa criação, pois tenho que adaptar a maioria das criações para a realidade ensolarada da minha cidade”, explica.

11898925_1694992267388975_1017236039003236833_n Jéssica com as suas criações <3

O irmão dela é estilista e foi o maior responsável pela paixão por moda: “O meu interesse por moda surgiu aos 10, 11 anos, por influência do meu irmão, que era estilista das Lojas Riachuelo e sempre levava croquis para fazer em casa e os que sobravam, ou os que saiam errados, ele me dava para colorir. Eu adorava!”.

Depois do desfile do SENAI Brasil Fashion ela está com tudo! Só vi elogios ao trabalho de Jéssica e não tenho dúvidas de que é só o início de uma carreira brilhante!

Planos para o futuro?

“Tenho planos de acabar a faculdade, com um TCC que foque em moda, ou até mesmo figurino. Também pretendo continuar a me aperfeiçoar com os cursos mais específicos do SENAI da minha cidade e fazer a pós graduação do Senai Cetiqt, ao mesmo tempo que ingresso no mestrado em Artes Cênicas com foco em figurino, ou na de Design de Moda em outro estado, já que aqui em Natal ainda não existe. Pretendo ainda dar aulas no SENAI-CM, de modo que todo o conhecimento que adquiri ao longo desses 4 anos retornem para o SENAI, meu segundo lar, como forma de retribuição. É falar de realização de sonhos e acima de tudo, que todos são capazes”

Alguém duvida que ela vai realizar muito mais? 🙂

3
  • Compartilhe  →