Meu objetivo capilar para 2012

Posted on

Salvei essas imagens no meu computador faz um tempinho já, mas agora estou obcecada por elas.

Quero muito esse cabelão!

Acontece que, no momento, estou cansada de manter esse ruivo que desbota eternamente e dá um trabalho danado de manter.

Acho que foi lindo ser ruiva durante esse tempo, mas vou voltar ao cabelo prático – e menos caro – que eu tinha antes. Minhas queridas mechas de piriguetxi kkkkkkk

Claro que meu cabelo não vai ficar como o da moça da foto (aliás, alguém pode me ajudar e mandar o endereço blog dela? perdi o link!). Até porque o cabelo dela é liso, e lembro que ela ensina a fazer esses cachos largos e volumosos.

Mas o que quero é voltar a algo próximo do que já tive, assim:

Sei que sair do vermelho dá um trabalho danado. Mas eu já fui ruiva e já deixei de ser uma vez, já saí do vermelhão para o loiro  como contei aqui, e tenho todos os macetes!

Será que vou ter coragem de deixar o ruivo?

Será que 2012 vai ser o ano da juba?

😀

19
  • Compartilhe  →

Minha evolução capilar

Posted on

Muitos posts sobre cabelos por aqui ultimamente, né?

Sei que não é exatamente o foco do blog, mas é que tenho dedicado muita atenção às minhas madeixas nos últimos tempos, e sinto vontade de compartilhar isso com vocês hehehe.

Quando narrei meu drama capilar nesse post, muita gente comentou comigo depois que não imaginava que eu havia sido loira.

Se você faz parte dessa pequena parcela da população mundial que me conhece há pouco tempo, saiba que eu já fiz de um tudo neste meu cabelo – só nunca fiz nenhum tipo de relaxamento ou alisamento.

E achei que seria divertido mostrar as transformações pelas quais passei nos ultimos (12!) anos.

Vamos lá?

Senta que lá vem a história!

A primeira vez que coloquei alguma tinta no cabelo eu tinha uns 16 anos, e fiz uma mechas loiras HORROROSAS. Na falta de câmera digital na época, não tenho nenhuma foto aqui no computador – graças a Deus, porque seria constrangedor mostrar isso kkk – então vamos pular para a fase seguinte.

Com 17 anos, lá pelo segundo ano de faculdade, pintei o cabelo com uma cor que chamo vermelho ki-suco. Conseguia essa efeito com uma tinta chamada jeans color. Eu pintava qualquer vermelho “normal” e jogava o jeans color (na cor magenta) por cima.

Hoje eu obviamente acho bizarro, mas, na época, eu achava o máximo huahuahuahua. Pior é a Rihanna, que tem coragem de fazer isso hoje. Eu tinha só 17 anos e não sabia muito da vida, ok?

Cacheado ficava assim

E quando eu fazia escova, assim

Ok. Podem parar de malhar e vamos à fase seguinte.

O cabelo cresceu, eu adorava fazer a rapunzel-cabelo-de-chiclete.

Usava vermelhão e bem comprido. Assim

(viram que fofa a Pretinha quando era bebê? Hoje ela é enoooorme)

E aqui dá pra ver de costas, ó

Durante anos esse cabelo foi minha “marca registrada”. Tem muitas histórias divertidas, como o estágio em TV onde a minha chefe não queria que eu aparecesse nas matérias por causa da cor do cabelo, dentre outros fatos marcantes kkk.

Um dia eu cansei e resolvi ficar morena pra ver qual era. Daí joguei um castanho escuro por cima. Passaram-se alguns meses, eu sempre jogando tinta escura. As pontas desbotavam e ficava assim

Aí achei muito sem graça ter cabelo “normal”, e resolvi voltar para o vermelho.

Mas  já não era uma tonalidade tão pink, era mais puxado pro vermelho “puro”, como vocês podem ver na foto a seguir (onde estou com outra representante do movimento red power)

Sempre em busca de mudanças, ou com um faniquito mesmo de não passar muito tempo com a mesma cara, resolvi ter cabelo curto pela primeira vez na minha vida.

A tesoura já era a de Nalva Melo, e ficou assim

Viram que o vermelho já estava indo embora, né?

Decidi abandonar a ruivice de vez, e comecei o processo para virar loira.

O pigmento vermelho é o cão pra sair! Eu pintava com um tom de castanho e puxava mechas fininhas douradas.

Ficava assim

O cabelo crescia, e eu sempre nesse processo de luzes douradas discretas.

Aqui com o cabelo maior

E comecei também a curtir meu cabelo cacheado.

Tudo graças a um corte que Nalva fez que evidenciou os cachos. Ficava assim sem escova

O vermelho foi saindo, e eu fui clareando cada vez mais o cabelo.

Nesse tempo eu era repórter de TV, então viva na escova, assim

De vez em quando, no fim de semana em que não estava trabalhando, deixava o cabelo sem escova.

O mais legal é que eu podia passar meeeeeses escovando, mas no dia em que eu quisesse meus cachinhos, eles estavam lá

Descolorante é uma coisa que vicia, e, com o tempo, eu precisava de doses cada vez maiores.

Assim fui ficando com o cabelo cada vez mais claro.

Hoje eu acho estranho esse loiro, mas na época eu gostava muito

O cabelo tava bem comprido, eu não mexia no comprimento há quase dois anos!

Cacheado ficava assim

E foi aí, quando tudo estava lindo, que eu fiz uma grande cagada: cortei uma franjinha BIZARRA

Não tenho vergonha nenhuma de admitir que fui influenciada pela personagem de Aline Morais numa novela. Ela era linda, rica, chique, má… e eu quis aquela franja kkkk

Só que como eu não sou a Aline Morais, não ficou tão legal =/

Eu tenho ódio mortal dessa franja, e só estou passando pelo constrangimento de mostrar isso aqui porque para escrever este post preciso deixar o pudor de lado.

Bom, aí a franja cresceu e eu continue fazendo as mechas. Retocava de 3 em 3 meses e isso era a única química no meu cabelo.

Fiquei assim, sem mudanças, até chegar a minha viagem para estudar na Itália. Queria um corte mais descolado, moderno, digno de uma estudante de moda. Lembro que disse a Nalva “quero ficar com mais cara de estudante de moda, e menos cara de jornalista” hahaha.

Mas não queria mudar a cor, e precisava de algo pratico, que pudesse arrumar sem muito trabalho.

A solução foi uma mudança leve, só desfiei as pontas deixando-as bem longas e irregulares.

Não sei dá pra perceber na foto…

Nos meses que passei na Europa, não mexi no cabelo. Até porque isso lá é caríssimo e eu era somente uma estudante brasileira sozinha e longe de casa (drama queen) kkkk

Com o clima diferente, os cachos deram uma caída e o cabelo ficava mais pro ondulado. Assim

O bom de fazer mechas é que não precisamos de retoques constantes.

Mais de quatro meses depois, a cor ainda estava bem digna, como vocês podem ver nessa foto com o boy, já pertinho de voltar pro Brasil

Passei mais uns meses sem retocar as mechas, e o cabelo ficou mais escurinho.

Na verdade ele era mais claro nas pontas, tipo esse ombré que tooooodo mundo usa agora.

Lancei tendemmmmmmcia kkk

Aí mais uma vez o bichinho da mudança me mordeu, e eu quis ficar com outra cara.

Sem querer recorrer à cirurgia plástica, resolvi mudar a cor do cabelo.

Eu continuava apaixonada por vermelhos, mas, dessa vez, queria um vermelho mais parecido com um ruivo natural. Mais cobre, mais Julia Petit.

Hoje eu eu tenho pavor de vermelho ki-suco, e digo a vocês meninas: se vocês já passaram dos 16 anos, fujam dessa cor!

Meu novo ruivo ficou assim

Essa foto com os queridos Patrício e Helber, foi tirada exatamente no dia em que pintei.

Depois fui procurando o “meu” tom de ruivo. Cada vez que eu pinto, nunca fica da mesma cor, mas sempre mais ou menos assim

Nesse tempo meu cabelo ainda cacheava direitinho.

Quando eu não escovava os cachos apareciam – como vocês podem ver nessa foto tirada – acreditem – num show de Gretchen no Circo do Palhaço Facilita hahahahahahahaha

Mas tinta é um negócio cruel. O Vermelho precisa ser retocado – no mínimo – uma vez por mês!

Meu cabelo, que só via tinta de três em três meses, agora era tingido até duas vezes por mês.

Aí ele começou a perder os cachos =/

Pra ficar assim eu precisava fazer rolinhos nas pontas, e soltar depois um tempo

Passei a usar muito o cabelo preso, pois ele não tinha mais viço nem balanço quando estava solto

Comprei meus bumpits, e vivia usando esse penteado presinho com volume no topo da cabeça, como nessa foto do Baile das Kengas

Chegou uma hora em que meu cabelo estava muuuuito fino, esponjoso, não modelava, não cacheava… era o fim!

Mas a cor eu estava gostando demais. Então fiquei no dilema: parar de pintar para recuperar? ou manter a cor que eu amo tanto?

Resolvi então aproveitar a situação pra mudar mais um vez.

Depois de muito pensar, resolvi não abandonar meu ruivo – pelo menos por enquanto.

Encontrei esse tratamento divino que está devolvendo a saúde do meu cabelo. Já a parte muito estragada, me desapeguei e passei a tesoura.

E agora estou assim

Estou amando meu cabelo curtinho de novo.

Vai ficar assim até o bichinho da mudança vir me perturbar mais uma vez.

É isso gente.

Foi bem divertido abrir meu histórico capilar aqui. Perdoem a má qualidade de algumas fotos, mas procurei as que mostravam melhor as mudanças – e nem todas estavam em boa resolução.

Espero que tenham gostado, e que deixem opinião aí nos coments dizendo se já está na hora de mudar a cor de novo, ou se devo ser ruiva até a morte 😀

Ah! E uma curiosidade minha: vocês também são assim e vivem mudando de cabelo?

45
  • Compartilhe  →

Recuperando os cachos com o RMC da Amend

Posted on

No dia 04 de abril eu escrevi este post dramático.

Estava desesperada com o estado do meu cabelo. Após anos de tintura sem tratamento, ele estava sem vida, sem cachos, sem viço, sem graça e sem nada. Daí uma abençoada leitora chamada Gil, comentou no post dizendo que havia feito “reposição de massa capilar”, e tinha conseguido recuperar o cabelo.

Gente, essa é a maravilha de ter blog! Compartilhar experiências e descobrir coisas incríveis. Eu nunca havia ouvido falar nesse tal de repositor de massa capilar, mas fui atrás pra saber do que se tratava.

Nas minhas pesquisas, descobri que o que havia acontecido com meu cabelo era realmente perda de massa. Imagine só: anos pintando, sem hidratar, sem cuidar, escovando frequentemente… não tem cabelo que aguente.

A perda de massa deixar o cabelo opaco, sem vida, poroso. Quando você escova ele fica logo “fofo” e a escova não dura quase nada. Quando deixa secar ao natural ele fica disforme, sem cachos, sem aquele balanço que um dia ele teve – quando virgem.

Comecei a perceber que no estado em que o meu cabelo estava, as hidratações não funcionavam – nem a maravilhosa Absolut Repair – porque o cabelo precisava de reconstrução do fio, não somente de hidratação.

Descobri que muitas meninas falavam sobre o RMC – Repositor de Massa Capilar da Amend, e gostavam muito. Comprei meu kit meio sem esperança, porque nunca havia usado nada da Amend, e achava meio “marca de Creuza”.

Aquele velho pensamento idiota, de que o que é bom precisa ser caro. Tipo, se Kérastase não resolveu, Amend vai resolver? kkkkkk

Além do mais, nunca ouvi falar da Amend nesses blogs famuósos de beleza – o que concluí depois que só pode ser porque a marca não paga jabá pras blogayras rs.

Mas felizmente eu estava enganada, e o resultado foi ótimo!

Isso não é um publieditorial, não ganhei nada da Amend, portanto meu relato é totalmente sincero. Preciso dividir com vocês!

Primeiro tive que escolher entre os dois tipos de RMC que a Amend tem. O da embalagem azul é para cabelos com escova definitiva e alisamentos, por isso imaginei que contribuísse para o efeito liso dos cabelos, e não era o que eu queria. O da embalagem vermelha é para cabelos com danos menos severos, causados por tinturas e processos mecânicos, como escova e chapinha.

Apesar de  a linha zul ser mais “potente”, preferi usar a vermelha, já que nunca fiz nenhum tipo de alisamento. Comprei o kit com os três produtos do tratamento – um shampoo, uma máscara e um creme sem enxágue. Os três juntos custaram R$ 99,00 na Miami Imports.

O tratamento começa com o shampoo especial, que é bem suave e tem cheirinho bom. Você deve lavar duas vezes, antes de seguir para o próximo passo.

Ah! eu tenho um truque ótimo para ensinar: antes de qualquer tratamento, uso um shampoo anit resíduos, para limpar totalmente os fios e deixar que o tratamento penetre bem. Desde que comecei a fazer isso, melhorou muito o resultado das hidratações ou qualquer outro tratamento que faço em casa. Aprendi vendo esse vídeo da Paola Gavazzi. E antes do RMC, limpo o cabelo com meu anti resíduos. Depois é que aplico o shampoo da Amend.

Em seguida você deve retirar o excesso de água, e aplicar a máscara mecha por mecha. O segredo para conseguir o melhor efeito, é fazer aquele movimento puxando mecha por mecha, que potencializa a ação do creme. Deixe agir por 10 minutos e enxágue totalmente. Nada de deixar “um restinho de creme no cabelo” hein?

Por último aplique o creme sem enxágue, e seque como de costume. Fica bom tanto pra escovar quanto para amassar os cachos com a toalha e deixar secar ao natural.

Quem quiser pode ver a aplicação e a textura dos produtos nesse vídeo que encontrei no site da Amend:

Comecei usando duas vezes por semana no primeiro mês, e agora uso uma vez por semana. Os cachos realmente voltaram, e o cabelo está cada dia melhor.

Da raíz até a metade do comprimento, o RMC recuperou quase todo o cabelo. Da metade pra baixo, acho que a situação já era irreversível (ou eu não tive paciência de esperar recuperar) e passei a tesoura. Foi legal porque eu já estava também querendo mudar o visual 😀

Conclusão: O RMC da Amend é muito bom. O resultado é rápido quando você usa o tratamento 2x por semana. Indico para quem tem qualquer grau de dano nos fios. Se o seu cabelo não é muito danificado, você pode usar a cada 15 dias, por exemplo.

Para quem tem cabelo cacheado é uma maravilha. Os cacheados virgens podem fazer a reposição uma vez por mês. Os castigadinhos por escova, uma vez por semana. E os coitadinhos que sofre com tintura, 2x por semana.

É claro que o que funciona para uma pessoa, pode não fazer efeito para outra. Mas se o seu cabelo tem características parecidas com o meu, deve funcionar para você também.

Muito obrigada à Gil que falou dessa maravilha nos comentários, e boa sorte para todas as cacheadas! 😀

43
  • Compartilhe  →

Cabelo novo!

Posted on

O que não tem remédio, remediado está. Ditado velho, batido, cliché, etc etc. Mas quando uma coisa não tem jeito, não adianta ficar sofrendo por ela.

Lembram que falei do meu drama capilar aqui?

Pois bem. Passei a fazer hidratação e reposição de massa capilar sistematicamente. Da raiz para o meio do cabelo, a melhora foi visível. O fio está mais saudável, e os cachos – aos poucos – estão voltando a se formar.

Mas do meio pra baixo, não tinha mais jeito. Era cabelo morto.

Então resolvi me livrar dele, até para deixar a parte “boa” do cabelo se sobressair.

No salão, logo depois de escovado, ficou assim:

Mas depois que saí de lá, com a chuva e a umidade do ar, o cabelo começou a enrolar. Ficou bem anelado, e acabei gostando mais do jeito que está agora.

Acho que meu processo para arrumar o cabelo vai ser escovar e depois sair na chuva huahuahua.

Pedi pra minha irmã fotografar agorinha pra mostrar pra vocês (ignorem a cara de louca, não estou muito fotogênica hoje kkk)

Além da medida drástica de passar a tesoura, tenho outra novidade capilar para contar.

Estou usando um tratamento da L’Officer que estimula a formação de cachos. São dois xampús, um condicionador e um gel ativador. Vou usar durante uns dias e depois conto o resultado aqui para vocês, ok?

32
  • Compartilhe  →

O cabelo de Camila Pitanga em Insensato Coração

Posted on

Tudo bem que a novela é chaaaaaata de doer, mas a caracterização das personagens está ótima!

Figurino, cabelo e maquiagem das atrizes tem me deixado de olho na TV – apesar da trama sem sal.

E a mais linda das lindas é a Camila Pitanga! Gente, o que é essa mulher? A maquiagem levinha e charmosa, o figurino absolutamente impecável e os cachos que todas nós gostaríamos de ter.

O corte é um chanel com a nuca mais curta que as laterais. Mas o que chama atenção são os cachos bem naturais, com cara de “saio do banho e fico assim”.

A Revista Estilo desse mês traz Camila na capa. Pensando que ia descobrir o segredo do cabelo dela, comprei a revista. Mas… a matéria não explica muito bem como fazer. Só diz que ela faz sozinha e com ajuda do difusor.

Então achei no site da Globo um vídeo da bonita mostrando como fazer. Vamos aprender?

Viu?

Basicamente ela passa um ativador de cachos (que não consegui identificar qual), seca um pouco amassando com a toalha, termina de secar com o difusor e, para finalizar, ainda realça uma mechas com a ajuda do baby liss.

AGORA VOU DIVIDIR MEU DRAMA COM VOCÊS:

Sempre tive o cabelo bem cacheadinho, e até gostava de usa-lo ao natural de vez em quando. Mas amava – ok, ainda amo- uma escova. Além do mais, trabalhei muito tempo como repórter de TV, o que meio que me obrigava a estar com o cabelo sempre escovado.

Mas NUNCA fiz nada de alisamento, progressiva, definitiva ou coisas do gênero. Só escova normal.

O legal dessa época é que, mesmo escovado, meu cabelo formava, naturalmente, alguns cachos nas pontas. O tipo de cabelo que virou modinha e todo mundo quer fazer hoje em dia com a tal da “escova modelada”. Ficava assim ó! E isso sem nenhum esforço. Era o jeitinho dele.

Tintura então, eu uso há mais de 10 anos. Nem lembro a cor natural do meu cabelo. Alternei entre loiro, pink, mechas azuis, vermelho, castanho, mechas loiras e o atual tom acobreado que uso.

Há uns dois anos passei uns meses estudando fora do Brasil, e o clima diferente mudou o jeito do meu cabelo. Na Europa, os fios não cacheavam mas continuavam bonitos. Não eram lisos, mas tinham um ondulado bacana. Quanto à cor, eu usava somente mechas loiras. E nunca fazia escova porque na Itália salão de beleza é caríssimo!

Ao voltar pro Brasil, adotei a cor que uso hoje (esse ruivo da foto do blog). Mas de uns meses pra cá meus cachos sumiram 🙁

Hoje, quando não uso escova, ele já não fica tão cacheado. E quando escovo, ele fica um liso escorrido e sem vida.

Odeio a foto da direita, mas é a mais atual e não tenho outra que mostre como meu cabelo está ficando quando escovo. A da esquerda é de dois anos atrás.

Digam se não é pra sentar e chorar!?

Morro de vontade de ter meu cabelo de antes, e vou começar a operação #RecuperandoMeusCachos

Para isso vou testar cremes, cortes, hidratações, técnicas de secagem e – quem sabe até- suspender a tintura.

Vou dividir tudo com vocês aqui no blog, porque pode ser que assim eu consiga ajudar a outras cacheadas arrependidas, né?

E conto com a ajuda de vocês, que podem deixar dicas legais para cabelos cacheados aí nos comentários, ok?

Por enquanto vou curtindo minha depressão com esse cabelo sem vida …

UPDATE: Sobre os óculos da foto, tem tudo aqui.

43
  • Compartilhe  →